Plano de Disaster Recovery: quando devo implantar?

plano de disaster recovery

A pandemia de Covid-19 pegou muitas empresas despreparadas para lidar com interrupções repentinas em sua infraestrutura, o que resultou, infelizmente, em consequências devastadoras para muitas e serviu de alerta sobre a importância do plano de Disaster Recovery (recuperação de desastres) e seus objetivos.

Até mesmo porque, incidentes prejudiciais aos negócios ocorrem com muito mais frequência do que eventos de proporções globais como uma pandemia global, e estar preparado para essas ocasiões, evita grandes dores de cabeça e claro, incalculáveis prejuízos financeiros.

Entre esses incidentes podemos citar por exemplo: incêndios, inundações, falhas de hardware ou até mesmo ataques cibernéticos.

A única coisa que todos esses incidentes têm em comum é que podem ocorrer a qualquer momento, com resultados extremamente prejudiciais para os negócios.

O que é o plano de Disaster de Recovery?

O plano de Desastre Recovery (DR) é focado na infraestrutura de TI e descreve de forma proativa ações que deverão ser seguidas em casos de incidente garantindo a continuidade dos negócios.

Dessa forma, o primeiro passo na criação de um plano de DR é a definição de dois parâmetros absolutamente necessários.

São eles: RTO e RPO e que devem ser definidos junto com a ala executiva da empresa em questão.

RPO: do inglês: “Recovery Point Objective”, diz respeito à quantidade de informação que é tolerável perder em caso de eventual parada nas operações.

RTO: do inglês “Recovery Time Objective”, está relacionado à quantidade de tempo máximo de indisponibilidade aceitável em caso de parada acidental.

Pense no seguinte: se o seu datacenter sofresse uma parada completa de modo inteiramente acidental nesse exato momento, qual a quantidade de informações seria aceitável perder (RPO) e em quanto tempo você precisaria do seu datacenter operante novamente (RTO)?

Assim, após a validação desses parâmetros, é possível definimos o nível de complexidade e criticidade partirmos para os requisitos e sistemas que serão necessários para a implantação do site de DR.

O plano de Disaster Recovery envolve a criação de um site de DR e, lamentavelmente, a maioria das empresas que não possuem um site de DR, quando passa por um grande desastre dificilmente se recupera.

Qual o mais indicado: site de DR em nuvem ou on-premise?

Segundo o technical executive manager, Maykol Lopes, não existe o que seja mais indicado em todos os casos. A solução ideal depende de cada caso, pois existem muitas variáveis que precisam ser consideradas.

Como por exemplo: a própria localização do cliente que pode não contar com conectividade redundante ou com velocidade para um DR em nuvem.

Da mesma forma que os indicadores de RPO e RTO também servirão para essas definições.

E, ao contrário do que se possa pensar, backup e site de Disaster Recovery não são a mesma coisa.

Enquanto que no backup é possível ter versões dos dados para recuperação, o site de DR permite que os dados atuais sejam replicados para utilização imediata em caso de parada no datacenter principal.

Geralmente, os proprietários de empresas acreditam que seus negócios estão protegidos contra desastres porque seus arquivos críticos estão armazenados em backup.

Porém, embora este seja um aspecto central da continuidade dos negócios e recuperação de desastres, é necessário muito mais do que apenas recuperação de dados que o backup sugere.

Plano de Disaster Recovery e a continuidade dos negócios

Assim como você deve ter percebido, o plano de DR está intimamente ligado com a continuidade dos negócios, uma vez que torna possível tomar ações rápidas para prover a própria continuidade destes.

Da mesma forma, para que o plano de recuperação de desastres seja eficaz, ele deve ser considerado na adoção da Governança de TI.

Segundo a analista de governança de TI, Ana Leticia Feijó, esses conceitos devem caminhar juntos, como aliados, pois dessa forma a chance da organização conseguir se recuperar rapidamente e evitar prejuízos é potencializada.

Pois, a governança traz consigo a organização e o gerenciamento que ajudará na gestão de crise, continuidade de serviços e na recuperação propriamente dita.

Finalizando, o plano de Disaster Recovery é essencial para garantir o bom funcionamento da infraestrutura de TI, e principalmente por contar com a implantação do site de DR, indicamos que sua implantação seja realizada desde o começo das operações.

E, se esse conteúdo foi útil para você, não deixe de nos seguir nas redes sociais! Estamos no LinkedIn, Youtube, Instagram e Facebook ou clique aqui e fale com a gente agora mesmo.